segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

If You Really Know Me...

You would know that I only want a fucking chance to be myself without any fucking judgment.

Acho que não é a primeira vez que eu falo sobre esta temática do "Sê tu próprio, não importa o que os outros pensam", então, desta vez, vou falar de uma ramificação desse tema, "O quão importante é o que os outros pensam de nós e como isso influencia a aceitação"
Hoje, na aula de matemática (hilariante, tudo acontece na aula daquele demónio), um dos meus colegas, trouxe um amigo (chamado Guilherme2), que inclusive, é aluno da minha professora. Até ai tudo bem, eu até sabia quem era o miúdo e tals, mas nunca falei com ele mais do que duas palavras. Nós temos outro Guilherme na turma (vou denominá-lo de Guilherme1) e a professora, comentou que tínhamos dois "Guilhermes" na aula. O problema, foi quando uma colega minha, a Fred (que também era amiga desse Guilherme2), disse que o Guilherme da nossa turma (o 1), nem chegava aos pés do Guilherme2, e a professora apoiou-a. Ora bem, acho que já conseguiram perceber o grande problema. 

Carrega em "Ler Mais" para continuares a ler


O Guilherme1 olhou para a professora surpreendido por ela ter dito aquilo e eu fiquei um pouco chateada com a Fred por ter feito tal comparação, afinal das contas, ela nem conhecia (e nunca falou) com o Guilherme da nossa turma (o 1). Ela não tinha argumentos para fazer essa afirmação, se nem o conhecia.
Quando a aula terminou, eu fui comentar com o meu amigo sobre essa situação, e ele disse algo, que fez detonar algumas informações na minha cabeça.

A turma do ano passado da Fred (que era a do Guilherme2, do outro rapaz que o trouxe para a nossa aula e de mais uma colega minha), era uma turma de pessoal falso, competitivo e arrogante, coisa que já me tinham dito e que eu não acreditei, pensei que estivessem a exagerar. Aquela turma parecia ser bem porreira e unida. Cá nada.

E hoje vincou-se mesmo que era uma turma de, na sua maioria, falsos.

E foi este acontecimento, que levou-me a escrever isto hoje.


1º Moda Elegante VS  Moda Vulgar || Sorrir e Rir

Eu, por exemplo, acho que não passo a imagem de quem realmente sou, o que faz as pessoas olhar-me, sei lá, inveja, ou ciumes, ou o raio que o parta! É assim, eu visto-me bem, não o vou negar ou tentar ser "humilde" de propósito, porque é a verdade. Eu sei vestir-me pá e visto-me bem! Uso no máximo três cores no look (como manda as regras da moda), uma bolsa a condizer (normalmente, a minha mochila linda da Lacoste condiz contudo *o* - eu amo essa bolsa), uns sapatos bonitos e toca a andar. Elegante e com classe, mas ao mesmo tempo, simples. 
Nunca gostei de vestir as coisas "vulgares", ou aquilo que as pessoas dizem estar "na moda". Opá, pode estar na "moda", mas essa moda não é para mim. Essa moda é moda vulgar e toda a gente usa. Eu sigo um padrão de moda mais "elegante", e por causa disso, as pessoas olham-me de cima a baixo, baixo a cima e começam a murmurar.

Outro grande impacto que eu passo, é o facto de não "sorrir" a todo o tempo, ou de não rir-me quando dizem uma piada. Vamos lá ver people. 
O facto de eu não sorrir é uma barreira de protecção para as pessoas (Lê-se: Rapazes abusadores) indesejáveis, ou então, pelo facto de ser muito tímida (sei, não parece, mas vou falar sobre este facto mais à frente). E quanto ao eu não"rir-me quando dizem uma piada", é porque não tem mesmo piada pá. Não vou rir feita um macaco de zoo se não tiver piada, só para "integrar-me". Por outro lado, se eu rir, é que tem mesmo muita piada, e vejam lá, eu sou bastante humorista, "gozona" (no sentido agradável não é?) e cómica. Por tanto, sem ofensa para com as pessoas que riem por tudo e por nada, não vou rir estupidamente se não tem um pingo de piada.
Mas,... acho que como qualquer rapariga, se a piada (mesmo seca, ou até amarela), vier do rapaz de quem gosto, eu riu-me, nem que seja um pouquinho. Só de ouvir a voz dele, faz-me sorrir, por tanto, acho que isso é bem normal.

Então, concluindo esta parte, acho que as pessoas pensam que sou "arrogante", "convencida" e "confiada", três adjectivos, que se realmente me conhecessem, não usariam para me caracterizar, e que eu sou "betinha", "riquinha" ou "mimada", mais uma vez, algo que não tem nada a ver comigo (apesar da minha ex-melhor amiga ter-me chamado de mimada [só porque eu disse que tinha comprado uns oculos de sol Ray Ban... Ok.]... mas a história com ela é uma desilusão, e se vocês soubessem o que aconteceu, não sei como reagiriam.)


2º Andar à Passarele VS Andar a correr VS Andar a dançar. VS andar "à rapaz"

Eu acho que o modo de andar de uma pessoa, diz muito sobre ela. Eu não ando "à rapaz", do género escanchado ou até mesmo com os ponteiros a apontar para um quarto, ou à pato donald, mas existe raparigas que andam "à rapaz" e eu acho isso horrível, mas elas lá sabem. Eu não ando a correr, a não ser que esteja bem bem atrasada para algum compromisso, mas tirando isso, não ando a correr. Também não ando a dançar, como uma amiga minha. Nem sei como é que isso é possivel.
Então, como já perceberam, eu ando "à passarele". Um pé ante pé, costas direitas e olhar virado para a frente (e não o nariz empinado, como muita gente confunde com este tipo de andar).
Again, na minha opinião, a única coisa que posso retirar daqui (se eu fosse avaliar-me de fora) é que tenho maneiras, ou tive uma boa educação, etc. Agora, o que a maioria das pessoas pensa... bom, são os mesmos adjetivos de à pouco.


3º Conhecer pessoas novas

Devido aos julgamentos de cima, tenho bastante dificuldade de aproximar-me de alguém, ou seja, de dar o "primeiro" passo.  Sou realmente muito tímida, e costumo de corar com facilidade. O meu melhor amigo diz que isso deve-se ao facto de eu ser inocente (atenção, inocente não é igual a ingénuo) e acha isso fofo. Então, tenho dificuldade em ganhar coragem para dar esse primeiro passo, mas...! Se alguém apresentar-me a outras pessoas, eu falo numa boa, como se a timidez tivesse evaporado. É um pouco esquisito, mas se não foi eu a dar o primeiro passo, opá, falo com as pessoas na maior!

4º If You Really Know Me...
Saberias que eu não sou nada daquilo que tu (alguém que nunca trocou nem um "Bom Dia" comigo), pensas que sou. Saberias que sou aquela em quem podes confiar. Saberias que tenho uma mente aberta e não julgo pelas tuas opções (sociais, politicas, culturais, religiosas, etc etc etc). Saberias que pouco me importa se tens ou não dinheiro. Saberias que poderias contar comigo para chamar-te à realidade. Saberias que sou cómica e que não importa quão mal esteja a situação, eu saberia torná-la mais agradável para ti. Saberias que sou teimosa e detesto que me contrariem, mas no entanto, coloco o meu orgulho de lado quando trata-se de pedir desculpas. Saberias que tenho uma baixa auto-estima e o quanto o meu cabelo tem a ver com isso. Saberias que sou mais transparente do que água potável. Saberias que só canto quando estou ao pé de pessoas de quem tenho confiança. Saberias que tento, todos os dias, ultrapassar a minha timidez. Saberias o verdadeiro significado do porquê de eu escrever. Saberias que tenho um darkside e que há dias que eu fico bem desmotivada para sair da cama. Saberias que a única coisa que quero é poder encontrar alguém que goste de mim pelo que sou. Saberias que não consigo sonhar.
Se tu realmente conhecesses-me, saberias que o facto de julgarem-me por coisas que eu não sou, realmente magoam-me e fazem-me ponderar se eu realmente sou alguém que vale a pena conhecer.

As pessoas surpreendem e raramente são aquilo que aparentam ser. Não saber julgar pela aparência é um dom, porque parecendo que não, há sempre alguém que já julgamos pelo aspecto, independentemente, se foi um julgamento inocente. O que eu aprendi com o tempo é que devemos conhecer as pessoas antes de as criticarmos, porque caso contrario, não poderás ter amizades verdadeiras.

P.S. Por curiosidade, à ai alguém que se identifica comigo?
Maria - xx

8 comentários:

  1. EU! EU! MEU ESPELHO! ALMA GÉMEA PERDIDA ALGURES!
    Nossa eu JURO que me identifico TOTALMENTE com o que dizes O: ao ler esse texto parece que li os pensamentos mais profundos de mim!!

    1º É exactamente isso! Tenho meu próprio estilo e estou me lixando para o que está na onda. Eu quero ser eu independentemente de usar roupa do armário da avó ou exótica, não me deixo ser ordinária como essa gente pobre de espirito e sem capacidade crítica que vive à base do que os outros lhe dizem para fazer. Sim, as miúdas da minha idade borram a cara de maquilhagem e eu não. Sim, as moças da minha idade fumam que nem chaminés e passam o tempo atrás de rapazes que nem cães atrás de pão. E sim, eu adoro aqueles óculos de sol dos anos 80 que estão fora de moda!

    2º Meu estilo de andar diz muito sobre mim. Principalmente o meu estado emocional... sempre que estou mais abatida parece que ando a carvão e sem cor nenhuma, tal que se estiver nos meus melhores dias o meu passo torna-me (anormalmente) apressado e mais luminoso.

    3º Eu também sou muito tímida socialmente. Sou capaz de me aproximar de pessoas mas não consigo ser aquela desbocada que não tem medo de falar. Na verdade, muitas das vezes nem me aproximo dos grupos mesmo por isso. Não gosto de fazer papel de quem está só observando os outros rindo e conversando entre si. Deixei-me disso. Prefiro mesmo levantar o queixo e estar na minha do que na dos outros. E é mesmo isso, tenho dificuldades em dar o primeiro passo. E mais, eu não morro de amores pela minha turma de arquitectura! Eles ficam sempre em grupo, falam todos uns por cima dos outros e, pior ainda, falam mal uns dos outros pelas costas! É muito comum eu chegar à sala e ficar na minha mesmo que eles estejam lá fazendo uma barafunda de todo o tamanho! Quando não gosto de alguém, não faço questão de me aproximar só para passar imagem. E sim, também já me enganei a respeito dos outros, mas a experiência na maior parte das vezes dá-me razão.

    4º De facto, estamos rodeados de gente que nos julga através de factos superficiais. Enfim, acho isso umas mentes fechadas. Como eu costumo dizer e é bem verdade: as pessoas que não me conhecem, normalmente, não gostam de mim. Sou capaz de passar a imagem de que sou um pouco estranha, arrogante, já me chegaram a dizer "ah eu pensava que eras uma arrogante que não achava piada a nada". Mas se eu não me aproximo TALVEZ é por causa da timidez (outras vezes está de caras o meu desprezo). Mas há gente que não atinge isso ou, infelizmente, sabe que é verdade mas está nem aí. Não gosto de me aproximar de gente dominadora porque isso é um enorme problema para mim: eu não me deixo dominar. Depois o caos começa e a pessoa de quem eu não gosto passa a não gostar de mim TADAAA! Tão previsível que até enjoa xD E sim, batalho todos os dias para vencer a timidez e não deixar as pessoas me intimidarem. Sabes, hoje em dia é assim. Uma pessoa que é tímida é logo devorada pelos outros que se aproveitam dessa nossa fraqueza para brilharem, Aff lamentável. Felizmente, acho que estou a começar a intimidar as pessoas e isso é uma novidade xD porque assim podem temer que eu coloque o pé sobre elas ao invés do contrário. Para sobreviver socialmente temos de facto que levantar o queixo (:

    Words-by-Ricci.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, nós somos mesmo gémeas de mães diferentes xD!!

      Eliminar
  2. PS.: Eu não sou anti-social. As pessoas que me conhecem, normalmente, gostam de mim, Acham-me divertida, trenga até, etc etc A questão é que prefiro andar com 3 ou 4 pessoas de cada vez do que atrás dos big bosses da turma xD Eu conheço pessoas aqui e acolá, não sou nenhuma pop star no meio de um grupo (:

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hahahahaha! É a mesma coisa para mim xD! Eu não sou anti-social e as pessoas, depois de me conhecerem, costumam de gostar de mim xD

      Eliminar
  3. Write in this post are the story of my life.

    ResponderEliminar